3 Numbers

Teros Open Banking - App Mobile

Com as constantes inovações que chegam a cada dia, algumas vezes podemos nos deparar com produtos digitais que tem um objetivo excepcional, porém por ser um produto novo, podemos não conseguir usá-lo como gostaríamos.

Este pode ser o caso do Open Banking. Em resumo, trata-se do compartilhamento de dados bancários pessoais entre instituições, protegidos por um conjunto de regras sobre o uso destes dados e informações financeiras, com finalidade de oferecerem melhores condições para os clientes.

Até hoje temos empresas nos telefonando mais de uma vez ao dia para oferecer produtos e até ofertas em serviços que já utilizamos, e sabemos o quanto isto é inconveniente. Além disso, também nos preocupamos com a invasão de privacidade, devido acesso aos nossos dados pessoais. Agora nos deparamos com um novo produto, o Open Banking, mas o que a usabilidade tem a ver com isso?

Recentemente puder participar da realização de um aplicativo Open Banking e foi diferente, simplesmente porque não temos aplicativos concorrentes ainda para poder fazer comparativos, por exemplo.

Então minha abordagem foi inédita.

O aplicativo que fizemos foi B2B, ou seja, para as instituições que farão o contato com os clientes. Então como foco, procurei navegar por serviços financeiros que oferecem empréstimos, para a partir daí tentar mapear qual seria o melhor fluxo para cada tipo de tarefa que o usuário terá que realizar, já considerando esta nova abordagem.

Como se trata de um cenário detalhado, meu objetivo era deixar apenas uma tarefa por tela, para que o usuário pudesse conclui-la de forma sequencial e simples, podendo retornar ao passo anterior quando necessário. Outro ponto extremamente importante que tive de abordar foi o UX Writing, ou seja, trabalhar com textos muito claros e definidos, tanto para complementar ações, quanto para que o usuário saiba o que vai acontecer no próximo passo (foi exaustivo, mas a cada revisão o fluxo se desenhava).

E aqui entra um fator muito importante: chamar o cliente para participar do processo desde o início, pois desta forma conseguimos juntos procurar facilitar as ações que serão mais utilizadas e como simplificá-las com menos passos possíveis, sem parecerem incompletas.

Outro ponto muito importante foi o alinhamento de todo o time, pois a cada fase do projeto, todos puderam levantar possíveis pontos de melhoria, o que gerou refinamento na entrega.

Acredito muito que após o início do uso do aplicativo, começaremos a receber feedbacks para melhoria do produto, pois como é novidade para os usuários também, eles nos ajudarão a mapear o melhor fluxo para um produto de sucesso. Só através de experiências e feedbacks chegaremos onde almejamos: facilitar a vida do usuário, seja em qual tarefa for.

Já as aplicações para o lado do consumidor final, aposto seguramente minhas fichas nas técnicas de UX Writing, para que esta aproximação seja feita de forma muito sutil, clara e convincente.